lula

Transição: Mulheres e crianças serão as mais beneficiadas pelo reajuste do salário mínimo

A equipe de transição já sentou à mesa e estabeleceu como prioridade do governo Lula e Alckmin o reajuste do salário mínimo acima da inflação, a partir de 1º de janeiro de 2023.

Com essa iniciativa, o futuro governo já atua para melhorar a vida das trabalhadoras brasileiras. Até o início deste ano, 42% das mulheres ocupadas no Brasil recebiam até um salário-mínimo, isso significa mais de 15 milhões de trabalhadoras que sustentam suas famílias, enfrentando um salário congelado e a brutal alta do preço dos alimentos, do gás e das contas domésticas dos últimos quatro anos.

“Tem muito mais mulheres no mercado de trabalho que recebem até um salário-mínimo do que os homens proporcionalmente. Isso significa que o impacto do reajuste do salário-mínimo beneficia diretamente muito mais mulheres”, explica a economista da Unicamp, Marilane Teixeira.

E o impacto do reajuste do salário mínimo não fica restrita às mulheres urbanas e na ativa. Segundo a economista, a média das trabalhadoras rurais que estão aposentadas também ganham até um salário-mínimo.

O Brasil das mães solo que sustentam seus filhos

O reajuste do salário-mínimo acima da inflação tem impacto direto no futuro das famílias. A especialista ressalta que as mulheres cujos rendimentos giram em torno de um salário-mínimo, cerca de 14% são trabalhadoras sem cônjuge com filhos em idade pré-escolar. Se considerarmos as mães solo com filhos em idade escolar, o índice chega a 18%; e com filhos maiores de 12 anos chega a 22%. Esse é o retrato das famílias que sobrevivem com apenas um salário-mínimo.

Quando se olha para os homens, por exemplo, na mesma situação: homens sem cônjuge responsáveis pelos filhos em qualquer faixa etária, o percentual não ultrapassa 4%.

“Este é só o começo de um futuro governo que vai priorizar as mulheres nas políticas públicas com justiça social, igualdade de gênero e o direito a viver com dignidade”, ressalta Anne Moura, secretária nacional de mulheres do PT.

Desafios das próximas semanas

O Congresso tem até dezembro para aprovar o orçamento, já incluindo os reajustes, e o atual presidente tem até o dia 31 para sancionar. Marilane reforça que o grande desafio do futuro governo Lula é justamente estabelecer um diálogo com o Congresso atual para assegurar que as emendas propostas no orçamento para viabilizar o orçamento de 2023 estejam alinhadas com os interesses da população brasileira.

Como Bolsonaro não garantiu verbas para programas elementares como Farmácia Popular, merenda escolar, manutenção do Auxílio em 600 reais, além do rombo anunciado pelo próprio Guedes, a equipe de transição e o Congresso terão que se esforçar em torno do combate à fome e da garantia de dignidade para o povo brasileiro no próximo período.

“É preciso aprovar um orçamento mais compatível com um governo democrático e popular, preocupado com a população”, esclarece a economista.

Ana Clara Ferrari, Agência Todas

Pesquisas Datafolha e Ipec apontam Lula em primeiro

Divulgadas neste sábado, 29, as pesquisas para presidente feitas pelo Datafolha e Ipec, ambas contratadas pela Rede Globo e o jornal Folha de São Paulo.

O Datafolha divulgou neste sábado (29) sua última pesquisa antes do segundo turno da eleição. Segundo a sondagem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 52% dos votos válidos e o presidente JairBolsonaro (PL) tem 48%. Os eleitores vão às urnas neste domingo (30).

Já o Ipec, cuja pesquisa também teve a Globo e a Folha de S. Paulo como contratantes, aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 54% dos votos válidos e que o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem 46%. O

O novo levantamento foi feito entre quinta-feira (27) e sábado, e os resultados se referem à intenção de voto no momento das entrevistas. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. (g1pe)

Lula anuncia seu time de governadores apoiados por ele no pleito de 2 de outubro

Portal Tribuna Nordeste – O candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) divulgou nesta quarta-feira (28) a lista de candidatos a governos estaduais e ao senado apoiados por ele em cada estado brasileiro.

Na Região Sudeste, Lula apoia um nome do Partido dos Trabalhadores: Fernando Haddad (PT) em São Paulo, Marcelo Freixo (PSB) no Rio de Janeiro, Alexandre Kalil (PSD) em Minas Gerais e Renato Casagrande (PSB) no Espírito Santo.

No Sul, todos os candidatos a governos estaduais apoiados pelo ex-presidente são do PT. Lula fechou com Roberto Requião no Paraná, Edegar Pretto no Rio Grande do Sul e Décio Lima em Santa Catarina.

No Centro-Oeste, duas das quatro candidaturas aos governos apoiadas por Lula são do PT: Wolmir Amado em Goiás e Giselle Marques no Mato Grosso do Sul. Lula apoia Leandro Grass (PV) no Distrito Federal e Márcia Pinheiro (PV) no Mato Grosso.

Na Região Norte, o PT tem duas candidaturas apoiadas por Lula: Jorge Viana no Acre e Paulo Mourão no Tocantins. No Amazonas, o ex-presidente apoia Eduardo Braga (MDB). No Pará, Helder Barbalho (MDB) tem o apoio de Lula. Em Rondônia, o petista fechou com Daniel Pereira (Solidariedade), em Roraima com Rudson Leite (PV) e no Amapá, Clécio Luis (Solidariedade).

No Nordeste, o PT tem candidatos em cinco estados: na Bahia (Jerônimo Rodrigues), no Ceará (Elmano de Freitas), no Piauí (Rafael Fonteles), no Rio Grande do Norte (Fátima Bezerra) e em Sergipe (Rogério Carvalho).

PESQUISAS

A pesquisa Genial/Quaest, divulgada na madrugada desta quarta-feira (28), mostrou que Lula venceria a eleição no primeiro turno.

Os números do Ipec (ex-Ibope), divulgados na última segunda-feira (26), também apontaram vitória do petista em primeiro turno. (com 247)

AO VIVO