Carro da Vacina atenderá público infantil neste final de semana em Petrolina

A Prefeitura de Petrolina, através da Secretaria de Saúde, segue com ações e estratégias para ampliar a cobertura vacinal no município. Uma delas, bastante exitosa, é o carro da vacina que neste final de semana atenderá o público infantil de 5 a 11 anos tanto da área urbana quanto rural da cidade. 

No sábado (12), das 8h às 17h, a equipe estará no Núcleo 11 do Perímetro Irrigado Senador Nilo Coelho, e no domingo (13), também no mesmo horário, no Residencial Monsenhor Bernardino. Serão ofertadas 900 doses dos imunizantes pediátricos para aplicação da primeira e segunda dose. Vale ressaltar ainda que as crianças precisam estar acompanhadas dos pais ou responsáveis.

É necessário também levar documento de identificação com foto ou certidão de nascimento, cartão SUS ou CPF da criança e comprovante de residência. Para as crianças que possuem comorbidades, é necessário apresentar um laudo médico. No caso da segunda dose basta apresentar o cartão de vacina e um documento oficial com foto.

Armando Monteiro diz que Raquel Lyra vai construir uma nova agenda e devolver a liderança ao estado

FOTO: ASCOM

“Raquel está sendo convocada por expressivas forças sociais e políticas, para, na condição de candidata ao Governo de Pernambuco, oferecer uma agenda renovada que devolva esperança aos pernambucanos e que reconcilie o nosso estado com a sua vocação de liderança e crescimento”, escreveu o ex-senador Armando Monteiro, em redes sociais nesta quinta, 10.

Relembrando um ano da posse de Raquel Lyra à frente da presidência do PSDB Pernambuco, Armando também reforçou que a tucana “protagonizou um debate sobre o futuro de Pernambuco percorrendo o estado de ponta a ponta conhecendo melhor as realidades locais num contato direto com a população”.

O ex-senador também registrou que o PSDB Pernambuco ampliou “quadros partidários que atenderam o nosso chamamento, o que nos assegurou nesta nova etapa a formação de chapas competitivas que irão disputar vagas na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal”, destacou.

FONTE: ASCOM

Presidente da Ucrânia diz que quase 9 mil soldados russos foram mortos

Assim começa o último vídeo postado pelo presidente da Ucrânia em sua página no Telegram: “Somos a nação que destruiu os planos do inimigo em uma semana. Planos que foram construídos por anos”. Na gravação, Volodymyr Zelensky afirma que os soldados russos não conseguirão nada na Ucrânia nem terão momentos de paz.

“Eles [os invasores] não terão comida. Eles não terão nenhum momento de paz. Eles receberão apenas a rejeição feroz dos ucranianos. Quase 9 mil russos foram mortos em uma semana. A Ucrânia não quer ser coberta por cadáveres de militares. Vão para casa! Digam para os seus comandantes que vocês querem viver”, apelou aos soldados russos.

Ontem (2), o Ministério da Defesa da Rússia divulgou que 498 soldados russos foram mortos e 1.597 ficaram feridos desde o início da operação militar de Moscou no país vizinho.

O presidente ucraniano disse ainda que, apesar de a Rússia ter um quantitativo dez vezes maior, a moral do inimigo está se deteriorando. “Mais e mais invasores estão voando de volta para a Rússia. Ucranianos estão abatendo o inimigo inclusive sem armas. Eu sinceramente admiro os cidadãos heroicos que não deixam os invasores [entrarem nas cidades] fazendo bloqueios nas ruas”.

Zelensky afirmou que os soldados russos entram em pequenos mercados atrás de comida e são expulsos por cidadãos ucranianos. “Eles são crianças confusas que foram usadas. Levem eles de volta para casa”, disse.

O mandatário da Ucrânia também afirmou que, durante o dia de negociações com a coalizão anti-guerra, conversou com chefes de governo da Noruega e de Israel, com o presidente do Cazaquistão, com o emir do Catar, com o presidente do Conselho Europeu, com o primeiro-ministro do Canadá e com o presidente da Polônia. Ele comemorou o resultado da Assembleia da ONU, que aprovou ontem uma resolução que exige que a Rússia retire as tropas da Ucrânia.

Mais de um milhão de ucranianos já deixaram o país, o equivalente a 2% da população. Mais da metade deles foi para a Polônia. Segundo as Nações Unidas, essa é uma crise sem precedentes neste século. A ONU estima que outros 4 milhões de ucranianos ainda podem deixar o país.

Da Agência Brasil

Brasil tem fertilizantes até outubro, garante ministra

O estoque de fertilizantes para o agronegócio no Brasil está garantido até outubro. A avaliação é da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

Em entrevista coletiva nessa quarta-feira (2), ela garantiu que não há problemas com a safra neste momento, no entanto, a safra de verão, no final de setembro e outubro, gera preocupação.

A ministra lembrou que a safrinha de milho já está em produção. “Então, o que precisava de fertilizante já chegou, já está com o produtor rural. Neste momento não temos problema. A safra de verão é uma preocupação”, disse. Ela acrescentou, entretanto, que o setor privado confirmou a existência de estoque de passagem de fertilizantes suficiente até outubro.

O alerta sobre o mercado internacional de fertilizantes vem desde fevereiro quando começaram as sanções econômicas em Belarus. As exportações do produto estão suspensas para o Brasil por causa do fechamento dos portos da Lituânia para o escoamento de fertilizantes e agora com o apoio à Rússia na guerra contra a Ucrânia, o país do leste europeu sofreu novas sanções.

O cenário se agravou ainda com o início da guerra. Isto porque, além da Belarus, a própria Rússia é o principal fornecedor do produto para o mercado brasileiro.

Negociação com o Canadá

Em meio à crise, a ministra da Agricultura disse que vai ao Canadá tentar negociar a demanda de fertilizantes. Segundo ela, o impacto ao consumidor depende do tempo da guerra. Sem esses produtos, a tendência é que a oferta vai fazer disparar o preço dos alimentos.

“O preço do trigo subiu lá nas alturas porque a Ucrânia é um grande produtor e isso influencia o mercado global. A gente acha que terá uma alta, sim. Quanto? A soja já subiu, já caiu um pouco. O milho já subiu, já caiu um pouco. A gente tem que acompanhar e diminuir os impactos”, afirmou.

Atualmente, o Brasil é o quarto consumidor global de fertilizantes, 80% de todo o produto usado na produção agrícola nacional vêm de fora do país.

As sanções econômicas dos Estados Unidos e da União Europeia na Rússia e na Belarus atingem a produção de potássio, e a maioria dos fertilizantes é feita a partir do potássio. A Rússia é responsável por fornecer cerca de 25% dos fertilizantes para o Brasil.

Da Agência Brasil

Guerra da Ucrânia empurra a inflação brasileira para cima

A guerra na Ucrânia vem afetando os preços das commodities negociadas no mercado global e acendeu o alerta para a volta das pressões inflacionárias, tanto dos alimentos quanto dos combustíveis — que têm pesos importantes nos indicadores que medem a carestia. Analistas salientam que, antes, previam um recuo maior no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) — que mede a inflação oficial — neste ano por conta da recente queda do dólar, que vem ocorrendo devido à forte entrada de capital estrangeiro em busca de ações baratas e dos juros de dois dígitos pagos pelos títulos públicos.

Depois da eclosão do conflito entre russos e ucranianos, esses mesmos analistas refazem os cálculos do IPCA para incluir a recente disparada dos preços. A alta dos preços das commodities pode se disseminar, elevando o custo do consumidor do pãozinho, do macarrão, da carne, além da gasolina e do diesel nas bombas, encarecendo o frete. Segundo eles, o IPCA deverá encerrar o ano acima de 6%, podendo ultrapassar 6,5%, além da mediana das previsões do mercado — em 5,6%.

As novas estimativas para o índice são preliminares, pois não se sabe a duração da guerra e o estrago que fará nos preços das commodities. O petróleo tipo Brent, negociado em Londres, encerrou o dia com alta de 7,58%, cotado a US$ 112,92 o barril. Em 12 meses, teve um salto superior a 80%.

Os preços do trigo, do milho e da soja também dispararam. De acordo com especialistas, a cada 10% de alta no preço do milho, por exemplo, há 2% de aumento do custo dos produtores de carne animal.

O economista André Braz, coordenador do núcleo de preços ao consumidor do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), destacou que é cedo para saber o impacto no IPCA, mas reconheceu que “não haverá trégua na inflação neste ano”. Por ora, ele eleva de 5,8% para 6,2% a previsão para a inflação oficial de 2022.

“É difícil estimar o impacto dessa guerra, porque o efeito é muito disseminado. Começa no preço do petróleo, passa para o combustível nas bombas, vai para toda a cadeia de derivados, como resinas plásticas, que afetam grande parte da indústria. Depois, temos que considerar os grãos: milho, soja e trigo dispararam e isso afeta a cadeia de alimentos em uma proporção que os analistas do mercado não haviam considerado”, explicou Braz.

Cenário desafiador

Conforme disse, o cenário era desafiador por conta das eleições no Brasil, mas a guerra trouxe danos que serão difíceis de serem superados ao longo do ano. “Já começo a imaginar um cenário com inflação acima de 6,2% para a acomodação dos impactos do conflito na Ucrânia. Mas ainda não sabemos se pode piorar”, alertou.

Carlos Thadeu de Freitas Gomes, economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), disse que, recentemente, por conta da valorização do dólar — que chegou a ficar abaixo de R$ 5 —, tinha reduzido as projeções do IPCA no fim deste ano para algo entre 5% e 5,5%. “Fizemos um cálculo preliminar do impacto da guerra sobre os preços das commodities. Deve dar um impulso no IPCA de, pelo menos, 0,50 ponto percentual e voltamos a prever 6% de alta no indicador no fim do ano”, disse. Para ele, “a guerra deve acabar logo”, mas admitiu que se o conflito se estender, o impacto inflacionário poderá ser bem maior.

Diretor de Estratégias Públicas do Grupo Mongeral Aegon (MAG), Arnaldo Lima lembrou que, além de ser uma catástrofe humanitária, o conflito deve “gerar efeitos danosos sobre a economia mundial e a brasileira”. “No caso dos alimentos, Rússia e Ucrânia exportam quase um terço do trigo no mundo (28%) e um quinto do milho (18%). Apesar de o Brasil importar a maior parte do trigo da Argentina, ainda assim poderemos sofrer impactos diante de uma interrupção do fornecimento global e da queda nas exportações russas e ucranianas. Até o pãozinho pode ficar mais caro”, destacou Lima, que ainda prevê alta de 5,6% para o IPCA deste ano. “Estamos aguardando os desdobramentos para fazermos atualizações”, salientou.

Do Correio Braziliense

Petrolina registra mais de 70 novos casos de Covid-19

O boletim epidemiológico divulgado diariamente pela Secretaria de Saúde de Petrolina contabilizou nas testagens feitas nessa quarta-feira (02) um total de 79 novos casos de Covid-19 na cidade. Foram realizados mais de 340 testes nos polos montados pela secretaria, cerca de 23% do público que acessou os locais de testagem saiu com resultado positivo para doença.

Além dos novos casos, a Secretaria de Saúde divulga ainda dois óbitos, sendo ambos do sexo masculino e com 74 anos cada, os dois possuíam históricos de comorbidades. As mortes ocorreram no dia 26 de fevereiro e 01 de março em hospitais  público e privado da região, no entanto, a secretaria só recebeu a declaração de óbito nessa quarta-feira.

A partir do crescimento de novos casos, Petrolina registra agora 52.520 pessoas já infectadas pelo novo coronavírus. Desse total, 45.107 já estão recuperadas, isso significa 85,9% de cura clínica. Com os óbitos registrados, a cidade chega a 659 mortes pela doença. O município está agora com 6752 casos ativos da Covid-19.

O boletim ainda registra que, dos 102 leitos de UTI disponíveis para a rede PEBA, 42 estão ocupados, isso representa uma taxa de 41,2% de ocupação.

APA Petrolina lança campanha Imposto de Renda Campeão

A Associação Petrolinense de Atletismo (APA) iniciou a campanha Imposto de Renda (IR) Campeão 2022, que visa arrecadar doações para a entidade esportiva por meio do direcionamento de parte do imposto a ser pago para a Receita Federal. Pessoas físicas podem doar até 3% do IR e pessoa jurídica 1%. A doação não representa custo ao contribuinte.

“Este é o terceiro ano que estamos com essa campanha e esperamos que a população possa abraçar o programa e colaborar com o trabalho da nossa instituição. O processo é bem simples, sem burocracia. É só entender que ao realizar a declaração do IR, o contribuinte terá que pagar um determinado valor de imposto para o governo. Aderindo ao programa de doação, uma porcentagem desse valor será destinado para ajudar a equipe. O cidadão não vai gastar nenhum centavo” explica o diretor executivo da APA, Natanael Barros.

Para realizar a doação, o contribuinte deve escolher o modelo completo da declaração. A ficha a ser preenchida é “Doações Diretamente na Declaração”, na qual é preciso escolher a opção Fundo Municipal e informar a quantia a ser destinada. Em seguida, o sistema emitirá um Documento de Arrecadação da Receita Federal (Darf), que deverá ser pago até o último dia de entrega da declaração. Após realizar o processo, o cidadão só precisa enviar o comprovante pelo site oficial da APA.

“Todas as contribuições recebidas serão destinadas para manutenção das atividades da nossa instituição. Atualmente realizamos um trabalho social com mais de 100 atletas e paratletas. Essas doações serão muito bem-vindas”, destaca Natanael.

Conforme a Receita Federal, o prazo para declaração do Imposto de Renda começa na próxima segunda-feira (7) e segue até o dia 29 de abril. Mais informações sobre como fazer a doação para a APA é só entrar em contato pelos telefones (87) 98823-5072 ou (87) 99968-9779.

ERRATA: Suicídio não ocorreu no Hotel Orla Guest

Anunciamos na noite de ontem (03), com exclusividade, a ocorrência de mais um suicídio em hotéis na orla de Petrolina.

O suicídio, no entanto, não ocorreu no Hotel Orla Guest, conforme divulgamos erroneamente, mas sim em um outro hotel, também localizado na orla da cidade.

O Hotel Orla Guest, como um dos mais tradicionais da cidade, não pode ser injustamente maculado com o peso de um acontecimento tão trágico como o da última noite.

Pedimos as mais sinceras desculpas pela divulgação desta informação equivocada, proveniente de grupos de WhatsApp, sem a checagem necessária.

A Ponte FM, que atua no Vale do São Francisco a mais de 10 anos, tem atuado durante todo este tempo prezando pelo dever de levar informação de qualidade à toda nossa audiência.

Nos comprometemos a seguir cumprindo o nosso principal objetivo, mas sempre compromissados com a verdade.

Anvisa libera CoronaVac para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quinta-feira (20) a aplicação do imunizante CoronaVac em crianças e adolescentes com idade entre 6 e 17 anos – exceto em casos de menores imunossuprimidos (com baixa imunidade). A decisão foi tomada durante reunião extraordinária da diretoria colegiada.

Crianças e adolescentes com comorbidades também poderão receber a vacina, que será aplicada em duas doses, com intervalo de 28 dias. A vacina é a mesma utilizada atualmente na imunização de adultos, sem nenhum tipo de adaptação para uma versão pediátrica.

A decisão foi unânime. Ao todo, cinco diretores votaram a favor da liberação: Meiruze Sousa Freitas, Alex Machado Campos, Rômison Rodrigues Mota, Cristiane Rose Jourdan e o próprio diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres.

Por meio das redes sociais, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comentou a aprovação do uso emergencial da CoronaVac para a faixa etária de 6 a 17 anos. “Todas as vacinas autorizadas pela Anvisa são consideradas para a PNO [Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19]. Aguardamos o inteiro da decisão e sua publicação no DOU”, disse, em sua conta no Twitter.

Butantan

Por meio de nota, o Instituto Butantan, fabricante da CoronaVac em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, informou que a autorização ocorreu após avaliação de pedido enviado à Anvisa no dia 15 de dezembro, embasado em estudos de segurança e resposta imunológica vindos de países como Chile, China, África do Sul, Tailândia e também do Brasil.

“A CoronaVac é cientificamente comprovada como a vacina mais segura e com menos efeitos adversos, além de ser a vacina mais utilizada em todo o mundo, com mais de 211 milhões de doses administradas no público infantil e juvenil (de 3 a 17 anos) somente na China”, destacou o comunicado. “O Instituto Butantan, que há 120 anos trabalha a serviço da vida, está preparado para fazer parte de mais esta batalha para derrotar o vírus da covid-19 no país”, concluiu a nota.

Da Agência Brasil

AO VIVO